Todos os encantos bons
"Não, você não precisa ter o abdômen do mocinho da novela, afinal eu adoro meus peitos naturais que se mexem de leve quando eu corro e desaparecem um pouco quando eu emagreço demais. Acho até que posso ficar com sua barriga pra sempre, mas já faz tempo que não acompanho nem uma semana seguida de qualquer novela. Eu não quero que você me busque num super potente carro, eu só quero que quando você me beije, eu não deseje mais nenhuma força do universo. Estou pouco me lixando se o restaurante tem várias cifras no guia da Folha, mas gostaria muito que a gente esquecesse das mesas ao lado e risse a noite toda, eu até brindaria com água sem bolhinhas. Sério que tem uma pousada mega-master com ofurô em cima da montanha e charretes cor-de-rosa que trazem o café da manhã? Dane-se, se você conseguir passar, nem que seja algumas horas, encantado pela gente, essa será a maior riqueza que eu posso ganhar. Sim, a tecnologia é mesmo fantástica, só que hoje eu queria sumir com você para um lugar onde não pegue o celular, não pegue a internet, não pegue a televisão, mas que a gente, em compensação, se pegue muito. Sim, sim, música eletrônica é demais, celebrar a vida com os amigos é genial, pular bem alto é sensacional. Mas será que a gente não pode colocar um Cartola bem baixinho na vitrola e dançar sozinhos no escuro, só hoje? Será que a gente não pode parar de adjetivar o mundo e se sentir um pouco? Eu procuro você desde o dia em que nasci, não, eu não dependo de você nem para andar e nem para ser feliz, mas como seria bom andar e ser feliz ao seu lado. Só que estamos com um problema: vai ser um pouco difícil a gente se conhecer porque tenho evitado sair de casa."

Eu só queria um namorinho no portão, Tati Bernardi.

(Source: quedoceseja)

"Eu seria o seu aconchego depois de um dia cansativo, eu seria o beijo de boa noite e o de bom dia, eu seria o jantar pronto e alguns dos seus filmes preferidos, eu seria a paciência para seus costumes chatos e o amor por suas manias, eu seria o sexo que acaba com a briga e o abraço que acaba com o choro, eu seria brigadeiro no final da tarde e surpresa no domingo, seria teu céu, teu recomeço, seria muito mais que um pedido de casamento, seria teu amor, teu pôr do sol, seria até o que você não merecia."

Eu seria… se você quisesse. 

(Source: emendar-nos)

"O motivo do choro é saber que a vida é dura, mas o coração é mole. Bobo. O olho vermelho e inchado é por não saber ser rasa. E não saber exigir pouco dos outros e de mim. O motivo é essa insegurança que parece ser um órgão meu. É ver que a lágrima sai fácil como o riso frouxo. Sei, nem parece. Só quero mostrar agora que eu não sou essa fortaleza, essa menina disposta, e auto-suficiente. Esse lado é o que te deixo ver. Sou cheia de neuras, medos e fragilidade. O motivo do silêncio é ferir quem se aproxima quando aqui dentro dói. Por isso prefiro ficar calada agora. O motivo é o coração mole, na vida dura, que sempre apanha mas não muda."

 A Menina e o Violão.

(Source: a-menina-e-o-violao, via dayloppes)

"Eu gosto da música calma embalando o fim do dia ao fundo. Gosto de reler um poema antigo que não conclui nada sobre nada. Gosto de abrir a janela e dar de cara com as estrelas. Tem alguma coisa no céu que é muito mais bonita do que o chão. Tem alguma coisa em você que faz valer a música, o poema e a noite. E eu não sei dizer muito, não é apenas a cor do seu cabelo ou o tamanho dos seus olhos. Não é sobre como você me desprendeu de mim. Não é a forma de sorrir ou os planos confusos. Tem alguma coisa que eu não sei dizer, que me falta o ar quando penso, que me deixa caminhando entre as estrelas, mesmo sem saber como chegar lá. E “I don’t believe that anybody feels the way I do about you now”, mas eu não sei cantar, eu não dizer… Eu não sei te olhar por mais de cinco segundos sem ter medo de te perder. As luzes da cidade vão se apagando pouco a pouco e mesmo nessa escuridão eu poderia te encontrar, eu te esbarraria numa esquina, eu te convenceria a ficar. Eu acho que sim. Se você não for ficar, ao menos mande um recado, deixe um bilhete sem se despedir, porque eu já engoli despedidas demais. Todo mundo diz adeus, então vê se me deixa te odiando pelo menos por um motivo diferente. Mas, se você quiser mesmo ficar, fica por completo, fica como um todo. Fica com o pé no lado quente ou frio, mas não no morno. Fica com a tristeza da música ao fundo, com ou sem estrelas no céu, com poema sem sentido e repetido. Fica com a repetição das minhas palavras. Fica sabendo do risco. Fica olhando no fundo dos meus olhos e não entendo nada, nadinha disso de ficar, mas dizendo que nada te leva. Fica perto, mais perto. Fica não querendo perder o jogo do amor pra vida. Fica por convicção do sentimento e dúvida do futuro. Fica sabendo tudo ou nada. Fica querendo ficar."

E, se você quiser, se você pedir, ou até sem pedir… Eu não vou a lugar nenhum.

Camila Costa.

(Source: camilacosta)

"Que te dizer? Que te amo, que te esperarei um dia na rodoviária, num aeroporto, que te acredito, que consegues mexer dentro-dentro de mim? É tão pouco. Não te preocupa. O que acontece é sempre natural - se a gente tiver que se encontrar, aqui ou na China, a gente se encontra. E te espero. E te curto todos os dias. E te gosto. Muito."

Caio Fernando Abreu.

(via luzdosertao)

"

Quero apenas cinco coisas… Primeiro é o amor sem fim A segunda é ver o outono A terceira é o grave inverno Em quarto lugar o verão A quinta coisa são teus olhos Não quero dormir sem teus olhos. Não quero ser… Sem que me olhes. Abro mão da primavera para que continues me olhando.

"

Pablo Neruda.

(Source: aossabiasclandestinos, via perfeitasimetria)

"Eu vivi os dias ruins. Às vezes, não gosto nem de lembrar. Foi uma cabeçada aqui, um soco ali, uns arranhões. Pensando bem, quem não os viveu? E pensando melhor ainda: quantos ainda viverei? O drama fica da porta para fora: não era a guerra, mas também não era o paraíso. Mas a cabeçada, o soco e os arranhões, mesmo doendo, aprendem a se calar. Dos dias ruins eu me trouxe. Eu e apenas eu, numa solidão muito minha. Dos dias ruins, sobrevivi. Isso é um feito, mas de vez em quando nem parece tanto. No fim das contas, com a cabeça no travesseiro, a lua lá no céu distante anunciando a melhor hora do dia e cada um na sua vida escondida, eu até que respiro bem nos dias bons. Eu até que me esqueço das manchas no calendário de uma vida sempre em outros tempos. E quando dizem que “somos agora”, eu tenho lá as minhas dúvidas sobre o que realmente sou."

Camila Costa.

(Source: camilacosta)

"Os sonhos não determinam o lugar onde vocês vão chegar, mas produzem a força necessária para tirá-los do lugar em que vocês estão. Sonhem com as estrelas para que vocês possam pisar pelo menos na Lua. Sonhem com a lua para que vocês possam pisar pelo menos nos altos montes. Sonhem com os altos montes para que vocês possam ter dignidade quando atravessarem os vales das perdas e das frustrações. Bons alunos aprendem a matemática numérica, alunos fascinantes vão além, aprendem a matemática da emoção, que não tem conta exata e que rompe a regra da lógica. Nessa matemática você só aprende a multiplicar quando aprende a dividir, só consegue ganhar quando aprende a perder, só consegue receber, quando aprende a se doar."

Augusto Cury.

(Source: soquotes, via ignoreapenas)

"Em que bar será
Que você fica rindo
Daquele amor
Que eu achava lindo?"

Cazuza.

(Source: c-a-n-a-r-i-o, via dayloppes)

"Deixa em cima desta mesa a foto que eu gostava, pra eu pensar que o teu sorriso envelheceu comigo. Deixa eu ter a tua mão mais uma vez na minha pra que eu fotografe assim meu verdadeiro abrigo. Deixa a luz do quarto acesa, a porta entreaberta, o lençol amarrotado mesmo que vazio. Deixa a toalha na mesa e a comida pronta, só na minha voz não mexa, eu mesmo silencio. Deixa o coração falar o que eu calei um dia, deixa a casa sem barulho achando que ainda é cedo. Deixa o nosso amor morrer sem graça e sem poesia, deixa tudo como está e se puder, sem medo. Deixa tudo que lembrar eu finjo que esqueço, deixa e quando não voltar eu finjo que não importa. Deixa eu ver se me recordo uma frase de efeito pra dizer te ver ir fechando atrás da porta. Deixa o que não for urgente que eu ainda preciso. Deixa o meu olhar doente pousado na mesa, deixa ali teu endereço qualquer coisa aviso. Deixa o que fingiu levar mas deixou de surpresa, deixa eu chorar como nunca fui capaz contigo. Deixa eu enfrentar a insônia como gente grande, deixa ao menos uma vez eu fingir que consigo. Se o adeus demora, a dor no coração se expande. Deixa o disco na vitrola pr’eu pensar que é festa, deixa a gaveta trancada pr’eu não ver tua ausência. Deixa a minha insanidade é tudo que me resta, deixa eu por à prova toda minha resistência. Deixa eu confessar meu medo do claro e do escuro, deixa eu contar que era farsa minha voz tranquila. Deixa pendurada a calça de brim desbotado, que como esse nosso amor ao menor vento oscila. Deixa eu sonhar que você não tem nenhuma pressa. Deixa um último recado na casa vizinha, deixa de sofisma e vamos ao que interessa. Deixa a dor que eu lhe causei agora é toda minha, deixa tudo que eu não disse mas você sabia. Deixa o que você calou e eu tanto precisava, deixa o que era inexistente e eu pensei que havia."

Oswaldo Montenegro.

(Source: maisaltoquebombas, via luzdosertao)

"(…) O meu único medo é que depois que a gente se perde, é sempre outro alguém que nos encontra. E não vai ser você. Nunca é, mas eu sempre quis que fosse."

Camila Costa.

(Source: camilacosta)

Vanessa da Mata.
theme